quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

e-d-e mim

Me vê um canto aí ao seu lado, mas fique tranquilo que é só um afago, só pra corar meu rosto todo e logo depois eu fujo de novo.
Só quero dormir e acordar ao seu lado, pode ser hoje, amanhã ou em noites de embalo.
Tem gente bonita piscando pra mim, mas um só sorriso de canto de boca, pode soltar toda louca que há dentro de mim.
Só neste momento me vem um tormento, dizendo de novo, que logo é o fim, mas brigo com ele pra manter a pose, de menina durona, que finjo em mim.
Não é complicado, mas também não é só esmago, não é só a noite que me escondo do sim.
Eu gosto do cheiro, da boca e do beijo, mas gosto ainda mais, quando gostam de mim.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

hoje vem?

Quero lhe dizer, que compreendo do romantismo que dizes, que gosto do gosto de café em seus lábios, mas isso não faz de nós um casal de apaixonados, ou talvez sim.. mas digamos que pelo momento, que pelo afago um no outro, que pelo repouso da mão no corpo.
Estamos assim, sem tanta cautela, sem tanto depois.
É dessa sua companhia tão cheia de incertezas que gosto, do seu hoje sem amanhã, do seu beijo apaixonado, das suas palavras que vagueiam de sutis até rusticas, da sua dança de mão pelo meu corpo, da sua brutalidade tão delicada, da mordida no ombro e de quando me elogia.
Vem viver o hoje comigo, deixe o amanhã para suas incertezas e inconstâncias.. ou deixe ao par e ímpar do destino, mas por hoje.. venha comigo.

domingo, 17 de fevereiro de 2013

falo.de.tu.

Seus olhos estavam mais claros,
A noite inteira havia ouvido seu afago sob a minha pele, enquanto meus gritos internos, vinham a tona.
Sua mão já havia entrelaçado com a minha, seus olhos já haviam encontrado os meus, seu lábio já havia adocicado o meu, mas ao me entregar aquele pedaço de papel, minha embriaguez pareceu maior, aprofundada em algo maior que apenas os contatos até então feitos.
Acariciou meu rosto, pegou meu cabelo, encostou seu nariz ao meu e não disse nada, nenhuma palavra saiu de seus lábios machucados, mas ali me acolhi, dormi e fiquei, até o Sol raiar e vir o despertar me fazer admirar sua face enquanto dormia.
Ainda guardo seu sorriso sacana, suas palavras gostosas, sua voz leve.. tudo na minha memória, como um doce devaneio, até encontrar novamente seus beijos, e reiniciar minha memória em escrita.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

cêvemhoje?

Me embriaguei, do seu cheiro, seu gosto, no rosto com rosto, no beijo ligeiro, na mão na cintura, no dia de chuva e a gente na rua.
Mas ontem me abstive de ti, corri pra mim, mas foi mal assim, sem nem pensar.
Foi pouco o beijo, pouco cheiro, muita mão, muito momento, num desatento.
Prefiro suas mãos, mais calmas, mais lentas, sem zigue zagues, sem muita dança, sem inconstância. 
Vem cá um bocado, me retira esse esmago, que nesse dia sou eu quem me calo.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

mal dosado.

Meu açúcar salgou, de tanto dom maltratado.
Então me vê um caneco adoçado, que hoje o amargo vai pra outro lado!

domingo, 10 de fevereiro de 2013

de lá da rua

Ela sorri, chora e brinca, nessa ordem, por muitas vezes numa desordem. 
Não haveria suspiros, ou lágrimas retiradas de outra forma que não própria, 
que não com um sorriso feliz estampado.
Aquele cheiro era doce, com menos tempero de desespero em sua mistura, o que de fato pode ser um agrado bem desagradável no fim e sem nenhum porque. 
Por isso ela corria no mesmo passo que andava, no lento, no calmo pisar, nas pontas dos pés, sem pressa de sorrir.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

dequemcêfala?!

olhos negros a lhe observar.
um gole de cerveja pra variar.
havia um sorriso agridoce em seus lábios que eu jamais seria capaz de desviar o olhar, até que dedo indicador tocou ligeiramente sua própria face, desviando por completo a atenção.
meus sentidos todos aguçados enquanto eu aguardava o término de seu dedo dançando levemente pela sua face não tão delicada.