terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Falas entre mim mesma

Não quero nenhum gosto, já estou de saco cheio de tanto desgosto, de fato acho que degustar não é pra mim, eu não entendo essa coisa de ninguém desejar estar assim. Meu nome está mudando minha cara, meus cabelos cortei pra ver se mudo meu jeito, sendo assim mais inexplicavel de qualquer maneira.
Estava ouvindo uma água cair veloz na pia da minha cozinha, ela parou por sí só e me disse que não era assim que as coisas deveriam ser, ela se joga pra cima e finge estar segura, só por querer estar.
E minhas mãos ficam repousando em cima do teclado do laptop, querem um café de um lado e nenhuma companhia do outro. Meu corpo quer muito fazer tudo por mim, e meu desejo íntimo é ficar só, pra mim, sem ninguém falando que sim ou que não, sem ter quem fingir que é meu chão, sem cheiro de ninguém, só o meu eu falando comigo, sou pra mim mesma uma boa amiga.
Aprender a me querer, esse sim está no jogo errado, mas digo pro meu eu que lamentar é muito chato, tanto quanto beber e falar bosta, essa coisa de alcool é só pra fingir a coragem, nem digo que é efeito bebida, é tudo mentira mal contada e muito bem acreditada, faço o que quero olhando pro céu fingindo ter mel.
Por fim, há sim um porque, e parece que há muito fingimento me dizendo e sendo como é, alias.. de complicação já basta esse coração vazio de mim mesma e cheia de alheios que não o desejam. Mas meus pés ainda assim caminham por eles e eu decido com o resto como faço.

sábado, 19 de dezembro de 2009

D'ela só

-De gritar, de correr e chorar.
-Vai passar assim que amanhecer
Parece que seus cabelos curtos lhe trouxeram efeitos, bons... bons até demais.
Ela só queria uma dose à mais de humor e amor, a combinação que ela queria, precisava ou sei lá, mas ele tinha.
Enfim, acabou que foi outro adorar e um mesmo fim assim.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Em olhos

Ela entrou no onibus, se quer pensou em interesse alheio, tava era de saco cheio, depois de saber do adorar e do não de um alguém, queria só a sua casa e as lágrimas lhe molhando o rosto. Depois de pagar, procurou mil lugares para sentar, seus olhos correram pro fundo e seus pés respeitaram a decisão, mesmo que tivesse de firmar suas mãos em algum lugar.
Ele já estava esperando por um olhar o caminho inteiro, ao ver aqueles negros cabelos, sorriu pra sí mesmo em satisfação e vontade, ficou esperando a decisão dela de acomodar seus olhos no dele, e de encontro ao acaso assim ocorreu.
Riram os dois, mas nenhum pro outro, ambos com a mesma sensação, e os olhos ficaram se fitando, tentando esquecer o resto das pessoas, da maneira que estivessem, nas mentes alheias tudo era invisível.
A casa dela se aproximou, mas a coragem faltou para ambos, ela ficou fitando suas mãos que cercavam o celular, ele olhou pela janela pra disfarçar, e depois se olharam como em um adeus, ela queria que fosse até logo, mas já sabiam que talvez não fosse.
Foi o ultimo olhar daquela noite, e nos sonhos eles ficaram a se falar, sem nenhuma insegurança pra lhes barrar, foi um fim bem assim.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Dele'dela

"Senti um gosto estranho com aquelas palavras,mas não me dói nada aqui dentro, só incomoda muito ser tudo o contrário do que era pra ser, e sim vou me desfazer um bucado, afinal eu queria só um pedaço dele pra mim".
Foi isso que a garota do cabelo louco me disse aquele dia, afinal aquele sorriso nem tinha mais cor pra ela, então resolvemos viajar, eu e ela. Mas a viagem veio em sonho, sonho meu e dela, era tudo sobre aquele seu..
Isso tudo é uma coisa, ele sempre provocou, ela sempre quis provocar, combinavam aqueles lábios, seria só isso da parte dele, dela já não importa e sim o momento como sempre dizem.
Mas o que cansa essa garota, é essa coisa toda, afinal ela se engana com interesses e com os interessados, fica lá desejando lábios, mas coitada não é dó o que sinto afinal tenho um pedaço do que ela sente, não adianta ela não mente. Seus olhos ficaram lendo aquelas palavras a noite todinha, parecia até que a Lua brigava com as nuvens, só pra deixar uma noite gostosa em desejo dela.
Ele eu não sei, se quer falei com aquele sorriso.
Tentei de qualquer forma arranjar um outro final p'ros dois, mas ele queria assim e ela já nem sabe o que quer mais.
Enfim, as coisas ficaram sem gosto pra mim, sem cheiro no fim, e acabou assim.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Bom, bem e sim!

Dentre cores, cheiros e modelos, estou de saco cheio.
Afinal é tão bom aquele doce sem nome, aquele que não foi provado,
e sim, ele foi provocado, por uma menina de cabelos loucos e negros,
mas ele é insatisfeito, ela não é assim tão segura de sí, então ficam vagando
cada um p'rum canto, e perdem nas próprias ditas.
Ela é bonita, não cheira rosas, mas gosta delas, ele prefere o calor com o mar,
gosta de ver aquela dança de corpos vagando pela areia, parece mais que é brincadeira.
Ainda não tem um fim, eles ficam preferindo assim, o segredo dela é o sorriso dele, diz ela que
vai guardá-lo em uma caixinha, ele anda com receio, não sabe qual é a melhor forma de chamar
ela pra comer do seu lado, então ela canta e encanta a outros, ele anda e ainda tem outras,
enquanto isso, o trem que ela pega fica abafado pra ser recordado aquele sorriso.