quarta-feira, 17 de junho de 2009

Do quente ao congelante

Queria poder pensar que não faço as coisas do modo errado e de fato não fazê-las, queria poder fingir que tudo está bem mesmo quando não está, queria ter o poder de sugar informações dos cérebros mais cobiçados, queria ser a unica pessoa que pudessem recorrer na hora do apoio, queria ser tão encantadora quanto as pessoas que assim julgo, mas queria também não julgar, queria apenas poder voar.
E mesmo querendo tudo isso que quero é pela mesma coisa, que não importa dizer, porque eu já disse no momento errado, e acho que já errei com palavras o suficiente, mas errei querendo acertar e mesmo assim o que fizeram foi não aceitar.
Não quero me desculpar, isso não vai me deixar melhor, queria apenas que me compreendessem, ou que pelo menos fizessem de conta de tal, mas de pouco me adianta querer.
Quero tanto que a explicação exista, mas que seja por vontade própria e pelo jeito isso pouco importa. Isso vai causando uma raiva que me cresce e toma desde a garganta até o estomago e a minha união é impossivel, apenas o que posso ter é o fato que me incomoda de um tanto que não há como definir.
E vem a porcaria da minha lágrima novamente me atormentar e eu canso de sentir tudo que sinto, eu pouco me importo em esperar o que não devia e quebrar a cara novamente, sempre foi assim. Com os mesmos eu quebro a cara a volto, e eu quero mesmo é que essa coisa toda acabe, do jeitinho que o meu plano está na cabeça.
Mas o fato é que pouco importa o que eu quero, porque o diferente infelizmente fez parte das minhas lágrimas, levando um bocado de bons momentos.

quinta-feira, 11 de junho de 2009

De cada palco


Toda essa simplicidade é que me faz bem, porque não preciso do seu vestido rodado para conseguir conquistar os meus maiores amores, ou as minhas vontades.
Essa pouca pintura no meu rosto é que me faz buscar o toque da magia que contagia cada olhar, onde há um brilho que queima de felicidade e satisfação por criar o que faz bem.
E nesse palco eu busco uma satisfação que me preencha a vida inteira, porque cada cara, cada vida, cada fala, cada papel, cada personagem tem o seu lugar, tem a sua caracteristica que te define nem melhor nem melhor que qualquer um.
Qualquer coisa some quando se pisa neste solo sagrado, que nos contagia pelas palavras que um mestre nos ensinou a pronunciar, a sentir, a estar fora na presença. Detalhadamente vem toda a felicidade e vontade de repetir, milhares de vezes, mesmo que para ninguem, mas sempre tentando melhorar e explorar o que é considerável inexplorável. Conquistar cada aplauso para ter a certeza de que todas as vezes que você pensou em desistir, estaria fazendo a coisa errada, e finalizar com aquele: ENERGIA