quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

todo carnaval tem seu fim.

Ainda sinto o cheiro, parece-me de roupa molhada, mas não me lembro de termos tomado banho de chuva, talvez uma gota de suor, aquele suor amargo que me agradava.
Me ceguei naquelas noites que passei ao seu lado, me senti apaixonada, lesada pelo meu querer, negada pelos últimos beijos seus.
Era carnaval, estava fresco, estávamos quentes, nos aquecemos com beijos, com suspiros, com afagos que eu acreditava jamais ter sentido antes. Estávamos marcados pelo momento, era gostoso, bom, mas... era só o momento e para mim... pouco!
Seus olhos me comiam com sede de estar só, seus lábios brincavam pela minha pele, meus dedos dos pés se contorciam mais que os das mãos, seus olhos se fechavam e os meus o fitavam.
Perdi a conta das vezes que estraguei um sorriso meu, pelo seu..
Eu sentia um tremor no corpo, só de me aproximar de seus braços mirrados que me agarravam para mais perto, enquanto sua respiração assombrava meus ouvidos, desciam pelo meu pescoço e encontravam com meus seios, onde suas mãos o descobriam e seus lábios o recobriam novamente, mas com sede maior que a de manter minha roupa em mim.

Diálogo composto

- Seus olhos...
- Eu estava vendo um filme bom demais, era totalmente diferente a proposta!
- Gosto dos seus olhos a luz dos filmes...
- Acho que o filme relatava alguma época, só que com uma visão diferenciada, entende?
- Entendo!