domingo, 29 de março de 2009

O queimante

Sentindo por um momento como se o coração ja estivesse parado, mas acelerando a cada palavra escutada de lábios que me maracaram a vida, que transformaram meus olhos em faíscas de sensações.
Mas um segundo foi suficiente para me fazer pular para o plano de partida, nada me faria ser tão forte como eu necessitava, ou talvez não fosse tanta necessidade, fosse apenas o medo de seguir e não chegar, apenas indo, e indo, e indo, mas sem chegar aonde devia, apenas indo e indo... e ao fim encontrando, tudo que eu precisava eram aquelas palavras me deixando mais inquieta e feliz, e o amor se fez em mim, mas eu precisava fugir, e ir para onde nada me poderia machucar como aquele beijo que me arrancou sangue que ardia.
Tudo ficou claro, a musica me trouxe toda verdade, as teclas do piano me definiram tudo que ainda restava duvida, mas a voz, ela simplesmente me deixava cega para o mundo, e todos os dias eu seria capaz de estar ali se nada mais fizesse sentido, porque era tudo que eu não queria, o sentido.
Agora eu sabia qual era o fim, ou pelo menos como ele deveria ser, sem morte, sem dor, sem sangue nos labios, sem sorriso, sem ódio, sem a minha queimação, sem a musica, sem a voz, sem a falta, sem a garantia, sem a felicidade, sem palavras, sem falas, apenas uma coisa: A PERFEIÇÃO!

quarta-feira, 11 de março de 2009

Nada pra sacar


Paixão, coisa e tal.
Tudo uma questão de como você vê o rosa!
E quem disse que eu ligo se o dautonismo te domina?
Quem garante que você não encherga melhor que os meus olhos pequenos e atordoados?!
Essa coisa toda de todos já está mais que no fim pra mim, porque agora o meu rosa já é bem mais complexo e completo que o de muita gente que não é dautonica!
Também não ligo se você tem mais que eu, porque um dia você vai mofar como eu! Ou então vai virar puera mesmo!
Mas uma música uma vez me disse que somos todos iguais!
Acho que não concordo se ela estiver falando nas cores que eu pensei que fossem!
Perspectiva. Acho que é esse o seu ou o meu problema!