sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Mensagem aos que não sabem

A inspiração passa por mim quase que cotidianamente, numa brincadeira de pega-pega que as vezes cansa e desordena tudo que parecia estar em seu eixo.
De tantas vivências ensaiadas, pouco imaginava como seria a realidade e quando se vive, se sente, se toca com os dedos e com os sentidos, aquilo que está a seu alcance, se embala na dança daquela rotina que te rodeia.
Não sabem, aqueles que não vivem, quantas lágrimas derramei por conta dessa nova vida adulta que me invadiu e se instalou. Não se sabe sobre quantas noites sem trocas pelo dia, apenas não dormidas se fizeram e fazem presente em prol de minhas notas.
Também não se sabem quantas contas realizei, tentando administrar as desigualdades e injustiças que vivo em minhas condições materiais, para pagar contas. Não se fazem ideia sobre as dores físicas e psíquicas que minhas produções acadêmicas produzem em mim.
Não se querem saber sobre minhas verdades entaladas na garganta enquanto esboço sorrisos e espalho tentativas de soluções às pessoas e situações. Não se sentem sobre minhas olheiras, meu cansaço e meu descompasso durante o período em que só não consigo mais me mover.
Não se podem saber, pois nada os digo, não peço socorro e nem me desmancho frente aos que não sabem, não me movo em sentido inesperado e nem apareço com meu desespero, só me calo e me fecho e me guardo e me sinto e ressinto e desmorono apenas para mim, para dentro, num movimento distinto ao que acredito correto.
Depois de tudo, guardo as palavras, as minhas falas, minhas ideias, recolho meus materiais, meu corpo, minha empolgação e num suspiro bem meu, me embalo em mim voltando pra dentro aquilo que estava reaprendendo a colocar pra fora.
O mundo não é o avesso, mas a gente não consegue ser avesso do que dizemos ser "a sociedade", mantemo-nos sendo parte das inverdades que apontamos, direcionamos erroneamente nossa fala para a sociedade quando queremos gritar a nós mesmos.
A saúde mental é o ultimo buraco em que você recebe visita, mas muitas vezes é o primeiro na fila da vida adulta e universitária.