sábado, 27 de setembro de 2008

Aquela que me abraçou

Saí de tanta insistencia!
Na volta, nada feito, tudo aquilo que eu tava sentindo não deu pra controlar quando eu escutei aquela frase, que me deixa possuida pela raiva:
- Vamos ser felizes Mah!!
Pois sou feliz,e estou cansada das pessoas ficarem falando pra eu ser feliz, até que tentou consertar, mas aquele sentimento veio e se apossou de mim, nada poderia ser feito! Desabei em lágrimas que me torturaram. Não era o que eu queria naquele momento, ja estava decidida, sei que ela precisava de mim, mas o que ela não sabia era que na verdade eu precisava dela.
Tentei segurar, juro! Fracasso total, nada feito, pois eu precisava daquelas lágrimas mesmo que por apenas um instante.
Um abraço! Tão forte e confortante, talvez ela não saiba, mas é a tão importante saber que posso contar com ela nesses momentos, ela realmente estava preocupada, desde a insistência que foi o inicio. Mas como eu explicaria que eu não estava bem? Não sabia e não sei mais fazer isso.
E quando me recordo, lágrimas decidem por elas mesmas cairem, não deixo, chega de lágrimas, quero apenas o vento no rosto, este sim pode me arrancar lágrimas, quero um beijo que me tire o folego, esse sim pode e deve me dar asas.
Ela me acompanhou até um certo ponto e ao me araçar novamente perguntou se eu ficaria bem. Como eu poderia dizer que não, isso estava fora de cogitação, não queria estragar mais a sua noite! Respondi que sim, notou minha voz e disse:
- Chora Mah! Porque segurar isso?
Lágrimas novamente, não poderia responder a verdade, a mesma me fazia doer a alma. Era para não ser fraca, estava tão cansada da mesma coisa de sempre, o choro sem motivos, queria uma explicação, não só para ela, mas para mim!
Em conclusão consegui me controlar, apesar da dor na garganta, pois segurei aquilo com muita força, essas lágrimas não viriam novamente molhar meus lábios de tristezas inexplicaveis!

sábado, 20 de setembro de 2008

Aos sentidos que me faltam

Passos e mais passos, a caminho apenas do que me faça querer seguir o resto, mesmo que ruim no final, quero conhecer o sabor do desconhecido, mesmo que me machuque, cicatrizes virão em seu lugar.
Tudo tão parecido com o de sempre, as mesmas gargalhadas, nada intensas eu diria, era como uma gota de sangue ja conhecida pelo meu outro gosto, pela minha metade ja morta, que se alimentava das esperanças que a outra criava, fazia em musica as dores mais conhecidas, aquelas quem tinham como nome o nada.
Escuto a chuva de longe vindo, trazendo com ela o frio que se engana, desviando entre os rios, achando ao seu destino nada será fatal, apenas as palavras escritas por quem ela diria que traria o seu novo sabor amargo.
Cantando sigo, olhando a vitrine de um novo amigo, o mesmo que roubou do meu bolso, o frasco da alma que traria de volta o viver, mesmo que este fosse embora, estaria pra sempre na memória.
Em minutos me recordo dos seus momentos, foi o que em trouxe até este fingimento, mesmo que você quisesse nada mais seria igual, seu olhos com lágrimas, o preto te encomoda a vida.
O mais importante por hora, é apenas continuar, mesmo que na morte sinta todo o meu querer, pois o fogo te levará até os meus lábios encontrarem o seus! E dá morte nascerá uma rosa.

domingo, 7 de setembro de 2008

Ao frio que me esquenta

Fico a procura das melhores palavras, nada encontro, nem mesmo vestigios de lagrimas perdidas em qualquer canto, de qualquer rua, ou até mesmo do meu quarto. Apenas encontro risos, mesmo que estes não me confortem, apenas me fazem seguir, sem rumo algum.
Relógio ao lado, musica aos ouvidos, palavras por escrito, frases de bocas, pessoas a caminhar, nos meus pés um all star.
Apenas nada, nada me faz sentir a dor de querer o desconhecido, pois somente o riso quem toma conta de mim quando me recordo de você, quando tudo se transforma no meu pensamento e vendo as formas do amor, o nosso inicio em escrito se forma em mim.
Quatro passos adiante, tudo que vejo não toco, dois passos a mais, uma lágrima, uma voz me traz até a vida real, sonhei apenas com o dia em que toquei seus lábios.
Lábios macios, que em uma simples toque, me trouxe o riso de volta!

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

na confusão dos sentimentos

Desejo então ter algum sentimento, percebo então que só sinto o amor, aquele que já não consigo esconder, aquele que temo em sentir, aquele que já tento esconder, aquele que não é correspondido, aquele que cresce sozinho, aquele que me faz sentir falta de carinho.
Sigo a vida, mas por vários instantes apenas existo, procuro a saída para a melhora de atitudes, atitudes que movem o mundo todo, as mesmas que me fazem ser alguém mais ou menos importante para uma pessoa em especifico, a tal que comanda toda a minha vida.
Decido qual é o melhor lado, acabo então por seguir o outro, o outro que me faz ver o que é errado e o que é correto, o que me mostra como poderia ser se não tivesse o seguido., que me faz sentir coisas boas e ruins, que me fala sem usar palavras, mas que as intensifica quando faladas por mim.
Procuro um bom livro, não leio nem uma pagina do escolhido, sabendo o quanto é bom, decido ler o prefacio, tal que me faz sentir que não é bom suficiente.Procuro a melhor luz que me ilumine,e ao procurar tal coisa consigo te ver, mesmo que seja apenas em meus pensamentos, em minha memória vejo em conjunto um beijo igual ao que nunca se realizou.