sexta-feira, 12 de março de 2010

De porque's entre querer, ter e estar

Vou começar a vender desgosto, com nome, cheiro e se quiser terá tempero. Posso escolher facilmente uma cor, um alguém, e sentir um gosto qualquer de coisa boa, posso fingir que está tudo vazio dentro da minha mente, que não sinto nenhuma vontade de estar gritando e completando minhas musicas feitas quando pensei em ti. Mas sem um porque fica tudo mais complicado de entender, a simplicidade vai morrendo junto com qualquer coisa que não sou capaz de nomear. E a minha mente... ah, mas que maldita coisa que me prende a tudo que envolve sentir, a ter ou querer... acredite, uma voz fica me dizendo que as coisas não estão nos lugares, que não sabe o quanto as coisas podem voltar, e como diz uma canção.. "que é pra ver se você olha, pra mim". Dá pra notar que cada palavra tua vira minha e deixa de ter vindo de ti, e é mais um sem porque, talvez só mais um que nem me faz tanto mal ou bem.. mas eu tenho reações, isso me faz crer no 'não crer' se é que é possivel entender.
Sabe, não posso escolher tudo, nem nada.. e sei que alguns e algumas coisas são ainda mais impossiveis, porque o meu sentido ja tem nome marcado, tem tudo marcado por mim mesma, porque me perder é bem mais facil do que só olhar pro espelho e achar.
Talvez este seja o meu problema, as verdades.. ah, essa me segue por minha culpa, esse tem porque, esse é meu de certa forma, é um ele que eu gosto de ter, já que não posso e não consigo, acho que nem quero deixar de mostrar as verdades com tanta facilidade. Bom, enquanto isso eu finjo que não sinto a dor que nem sei se há, vou finjir que acabou toda a minha estampa que ja estava mais marcada por mim mesma!

domingo, 7 de março de 2010

q de q ou nada

Sabe, as vezes você só quer descer da escada sem ser caindo. Mas cada coisa vai de uma vez, eu fico torcendo pra ter fim pra uns, pra ver se começa pra mim, e isso não é de forma negativa.. mesmo, torço por bem e por bem comigo também.
De tudo que escrevo, leio e releio outras mil vezes, tem sempre um q de q no meio, aquilo que eu sei, que eu entendo e que espero que o q envolvido entenda.. mas sei que as pessoas não podem voar, então acho que acaba sendo mais facil eu tombar até o fim da escada e no chão eu encontro um q do qual eu possa falar sem ter um q de q, do qual nem eu sei.