sábado, 31 de janeiro de 2009

Nada feito Pimenta

Impressionante, como planos a seguir e pronto, nada feito. Talvez seja por não ter essa frequencia na vida, ou por apostar demais, e acabar em feridas, ou então é culpa minha mesmo e pronto!
Mas será que importa mesmo, talvez seja melhor só dançar e esquecer até do problema mais intenso que me faz esquecer de balançar, vou até mandar tudo pro ar, comemorar e quem sabe até extremecer nas músicas que não agradam!
Ri um pouco depois de tudo, juro que foi assim do nada, mas as vezes eu não consigo evitar a raiva, poxa vida é sempre essa coisa de não dar em nada. Chega que isso é atração, na verdade a lei da atração, mas talvez um prédio me chame e eu pule dele. Quem vai dizer que isso é besteira então?!
Acho que só pra terminar, mesmo que quem eu queira não possa olhar, eu deixo claro, que eu tenho a minha razão, e que por mais idiota que seja isso ta gravado. Agora vai lá então.. enquanto o Santa Pimenta vira minha melhor opção!

domingo, 18 de janeiro de 2009

Desnorteamento belo e tolo

Fiquei presa naquela realidade que não era minha, que não de ninguem, até porque esta nem existira! A leitura que ficou me bloqueando a saida, os convites, e quando finalmente feitos estranhamente desfeitos.
Tava beirando a loucura, juro, mas era uma loucura que dara a mesma cede da leitura, as mesmas palavras estavam inperceptivelmente sendo adicionadas ao meu vocabulário limitado. Apesar de todos estes atordoamentos, eu diria, tava tudo maravilhosamente bem, como nunca estivera sem envolver amores, agora o amor era diferente aos meus olhos, talvez as palavras estariam voltando ao seu valor antigo, talvez não, mas tudo era bom!
O que me prendia mais aquela realidade sem dono, era o tempo tão comum, tão umido e ao mesmo tempo claro sem o sol pra estragar a minha conturbação!
Meus risos chegaram a me satisfazer sem vontade de vir, como uma musica que você não gosta, mas que te faz bem aos ouvidos que não garantem a atenção.
Alias, eu até poderia mostrar a nova canção que fora formada por uma parte que está ainda presa aquelas palavras sem realidade, mas em algum ponto havia uma aproximação. Até mesmo nos movimentos havia história que envolvesse o momento.
Havia mais leitura a minha espera, eu nem mesmo me preocupei se aquilo fosse me viciar, fazia bem como a heroína da leitura, fazia tão bem que até o céu me fitava estranhamente. Vacilando em meus desejos mais absurdos pude notar o quanto estava sonhando, e em sopro pude notar que estava me levantando sem querer acordar!